Meu Perfil
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Últimos assuntos
» Local seguro para bater punheta
Hoje à(s) 12:23 am por non

» Dar ou não dar o cuzinho? (minha dúvida)
Ontem à(s) 3:42 pm por casals2tv

» Alugo 2 kits para Trans (Asas Norte e Sul)
Seg Maio 21, 2018 8:50 am por MICK THOMPSON

» Brenda Vasconcelos
Seg Maio 21, 2018 1:33 am por Barack Gama

» Baladeiros do Transgressão (músicas variadas)
Dom Maio 20, 2018 2:18 am por Chivas Regal

Parceria
Acompanhantes Brasilia Travestis

MegaTopsBrasil

Travestis RJ - Rio de Janeiro

HDVideosTravestis

TravestiComLocal

The Models

A Mais Bela Travesti

GPGBH

Hotel Jade Transex

Votação

Conheci o TRANSGRESSÃO através de:

34% 34% [ 94 ]
43% 43% [ 119 ]
10% 10% [ 28 ]
9% 9% [ 26 ]
4% 4% [ 10 ]

Total dos votos : 277


Vídeo flagra brigadiano agredindo travesti durante revista em Porto Alegre

Ir em baixo

Vídeo flagra brigadiano agredindo travesti durante revista em Porto Alegre

Mensagem  Rubinho Flash em Qui Out 19, 2017 11:47 pm

Vídeo flagra brigadiano agredindo travesti durante revista em Porto Alegre

Publicado em: outubro 19, 2017
Da Redação


Vídeo: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Um vídeo de 40 segundos mostra um brigadiano agredindo travestis durante uma abordagem policial, em plena luz do dia, em Porto Alegre. O caso teria ocorrido em uma manhã de sábado, no final de setembro, na rua Ramiro Barcelos, bairro Floresta, e foi entregue ao gabinete do vereador Roberto Robaina (Psol). No vídeo, o policial rende uma travesti e joga seu rosto contra uma placa colocada na grade de um prédio. Uma brigadiana mulher se aproxima, mas não interfere na ação do colega.

Na semana passada, Robaina fez a denúncia em uma audiência com o governador José Ivo Sartori (PMDB). Nesta quarta-feira (18), a pedido de Sartori, o vereador foi recebido pelo secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, e pelo chefe do Estado-Maior da Brigada Militar, Coronel Júlio César Rocha Lopes. O vídeo e a denúncia foram encaminhados para Corregedoria da corporação que decide se será aberto inquérito.

A Secretaria de Segurança Pública abriu um inquérito policial militar (IPM) para apurar o fato e encaminhou a denúncia à BM.

“É gravíssimo, porque sabemos que há uma situação de violência permanente no Brasil contra a comunidade LGBT. Dentro dela, as travestis são as mais agredidas. Este vídeo mostra uma realidade que ocorre muito. Não se pode dizer que esse seja o padrão de abordagem [da BM], mas sabemos que o nível de violência institucional contra a comunidade LGBT é enorme”, disse o vereador ao Sul21. “Infelizmente, acho que ele não é uma exceção. Então, mais necessária ainda a denúncia, a exigência de punição, de identificação e de que publicamente se combata o senso comum de que tudo vale”.

ONG diz que denúncias sobre abordagens violentas cresceram

A abordagem flagrada em vídeo, apesar de ir contra as recomendações da Brigada Militar, parece ser mais comum do que se tem registros. Quem afirma isso é Marcelly Malta, presidente da ONG Igualdade- RS – Associação de Trans e Travestis do Rio Grande do Sul. Segundo ela, as queixas de travestis e mulheres trans sobre abordagens agressivas aumentaram nos últimos anos. O medo de represálias, porém, faz com que os casos não sejam denunciados nos canais oficiais. “Como eu vou numa delegacia de polícia denunciar a polícia?”, diz Marcelly.

A ativista diz que o vídeo denunciado nas redes pelo vereador do Psol a levou de volta aos dias em que ela também sofria agressões da polícia. A diferença principal era que as memórias dela vêm dos dias de ditadura militar no país. “A primeira vez que eu fui presa, eu perguntei porque estava sendo levada. Veio a Polícia Civil, que era a que mais prendia e simplesmente nos levou”, conta. “Quando eu vi o vídeo, eu não acreditei no que estava vendo, perguntei quando tinha acontecido aquilo”.

No governo de Olívio Dutra (PT), no final dos anos 1990, Marcelly trabalhou como instrutora da Academia de Polícia – tanto com a Brigada Militar, quanto com a Civil – para ensinar aos policiais como fazer abordagem de travestis e trans corretamente. Segundo ela, a resistência vinha mais de mulheres policiais do que homens.

“Lembro que um dia, uma delas me disse assim: ah, Marcelly, mas vocês querem que a gente entregue rosas para vocês durante a abordagem? Eu disse que não, mas queria que fizessem abordagem digna de qualquer cidadão ou cidadã. Não é quebrar salto de travesti, jogar as bolsas no chão e esvaziar”, lembra.

Os resultados, porém, foram positivos na avaliação dos próprios alunos. Ela lamenta que a iniciativa não tenha seguido dentro da corporação. “[Os alunos] diziam: isso deveria ter acontecido há 15 anos, hoje a gente teria uma polícia mais humanizada. Eu nunca mais esqueci essas frases e era verdade. Eu viajei o Brasil inteiro para sensibilizar essas pessoas que nós somos iguais a qualquer outra pessoa”.

Nesta quinta-feira, ouvidora geral da Defensoria Pública Estadual, Patricia Couto, recebeu o vereador Robaina com a denúncia e também passa a acompanhar as investigações do caso.
avatar
Rubinho Flash
T-lover Graduado
T-lover Graduado

Mensagens : 133
Data de inscrição : 26/12/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum