Meu Perfil
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens
Parceria
Acompanhantes Brasilia Travestis

MegaTopsBrasil

Travestis RJ - Rio de Janeiro
ACESSO RÁPIDO
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Votação

Conheci o TRANSGRESSÃO através de:

34% 34% [ 83 ]
40% 40% [ 96 ]
8% 8% [ 20 ]
5% 5% [ 11 ]
0% 0% [ 1 ]
9% 9% [ 22 ]
4% 4% [ 10 ]

Total dos votos : 243

Últimos assuntos

20ª Parada LGBTS reúne nacionalidades diferentes para pedir por mais amor

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

20ª Parada LGBTS reúne nacionalidades diferentes para pedir por mais amor

Mensagem  Dr. Armando Komeku em Seg Jun 26, 2017 12:10 pm

20ª Parada LGBTS reúne nacionalidades diferentes para pedir por mais amor

Encontro pacífico e colorido mostrou que essa convivência pode, sim, ser possível




O clima em frente ao Congresso Nacional na tarde de ontem era de festa e de alegria. Mas, muito além disso, a 20ª Parada do Orgulho LGBTs de Brasília foi principalmente um ato político. Com o tema “Religião não se impõe, cidadania se respeita”, o evento reuniu (segundo informações confirmadas até o fechamento desta edição) cerca de 15 mil pessoas, munidas de bandeiras com as cores do arco-íris e cartazes que reivindicavam respeito e pediam um Estado laico, sem a interferência da religião na política do país.

Representantes de diversos grupos LGBTTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) discursaram em cima do trio elétrico, ressaltando que o movimento não é contra religiões, afinal, “a maioria das pessoas presentes são religiosas”, disseram. Mas é contrário à criação de leis baseadas em visões religiosas que interfiram no direito dos cidadãos. Muitas pessoas que discursaram ainda deram testemunho de casos de homofobia dos quais haviam sido protagonistas e pediam mais amor e aceitação.

Prevista para começar às 14h, a parada teve início com uma hora de atraso. A demora foi resultado de um impasse entre a organização do evento e a Polícia Militar. Os realizadores conseguiram, após negociação com o Governo do Distrito Federal (GDF), autorização para ocupar uma área gramada em frente ao Congresso Nacional, mas o espaço estava interditado. Depois de uma conversa entre as partes, o local foi liberado e os trios elétricos puderam ser posicionados, conforme planejado inicialmente. “É simbólico fazer a parada em frente ao Congresso Nacional, porque foi um poder que não se movimentou para assegurar direitos da comunidade LGBT”, afirmou Michel Platini, um dos idealizadores.

De início, eram poucas as pessoas no local. No entanto, o número começou a crescer rapidamente e logo era possível ver centenas de pessoas que saíam da rodoviária e desciam a pé até a Alameda das Bandeiras, o lugar da concentração. Foi quando os dois trios elétricos do evento começaram a se deslocar rumo ao Palácio do Buriti, local programado para o fim da manifestação. Animados, os participantes seguiram os trios, que tocavam músicas de artistas pop, como Lady Gaga, Rihanna e Anitta, e também de famosos cantores brasileiros, como Anitta, Wesley Safadão e Pabllo Vittar. As pessoas festejavam, dançavam, cantavam, desfilavam com fantasias coloridas e se beijavam ao som dos DJs. Os trios elétricos chegaram à Torre de TV por volta das 20h30.

Rede de apoio
Pessoas de diferentes idades, de diversas partes do Brasil, e até do mundo, marcaram presença na manifestação. Havia adolescentes, jovens, adultos, idosos e até famílias com crianças. Representantes de algumas embaixadas também fizeram questão de estar ali.

Um grupo da embaixada da Austrália seguia ao lado de membros da embaixada da Nova Zelândia, com bandeiras dos países e camisetas de apoio à comunidade LGBTTT. “Na Austrália, fazemos muitos eventos assim, sempre organizamos paradas gays. Estou achando muito legal”, disse a vice-embaixadora Tracy Reid.

Um dos pontos fortes da manifestação foi o destaque para grupos que costumavam ser deixados de lado no cenário LGBTs, como transexuais e transgêneros. “Participo das paradas desde 2010, mas esta é ainda mais especial, pois abraça toda a diversidade. Ninguém fica de fora”, pontuou a transexual Laila Durand, 24 anos, formada em marketing. “Precisamos tirar o estigma ruim, mostrar que existimos, estamos aqui e merecemos respeito”, completou.

E, para apoiar o movimento LGBT, a família do sociólogo Daniel Galvão, 42, se uniu para “Lutar por amor”, com dizia a plaquinha que seguravam. “Neste momento de golpe que vive o país, lutar pelo amor é o mínimo que podemos fazer. Não podemos separar o amor da política. É uma obrigação do cidadão lutar para melhorar nosso país e respeitar as diferenças, sejam elas quais forem”, ressalta.

Direitos conquistados
A 20ª edição da Parada do Orgulho LGBTs de Brasília acontece dois dias depois da assinatura da regulamentação da lei que proíbe qualquer tipo de discriminação por conta da orientação sexual. Foram 17 anos de espera desde a sanção da lei 2.615 de 2000, que prevê multas em casos de intolerância. “É um marco, mas assinar um papel é muito fácil. Agora essa lei precisa ser efetivada”, afirmou a assessora parlamentar Rita Rabello, 54 anos, nascida no Rio de Janeiro e moradora de Brasília há mais de 20 anos.

Ela disse temer que a decisão de Rollemberg seja apenas uma forma de melhorar sua imagem e acrescentou. “Esperamos que essa lei realmente dê frutos e que a situação melhore de fato. Muitos avanços ainda precisam ser feitos. Que esse seja sinal de verdadeiras melhoras para a população LGBT”, finalizou. Acompanhada de três amigas, ela estima que esta seja a décima parada da qual participa.

O gerente de projetos Sílvio Aquino, de 24 anos, também fez questão de enfatizar que, apesar de ser um passo importante, o fim da homofobia depende da sociedade. “A lei em si não faz nada. Ela precisa ser implementada e entendida pela sociedade”, frisou.

Há 20 anos, a primeira edição da parada de Brasília reuniu apenas 200 pessoas. Com força e alegria pelas vitórias conquistadas, a realidade do evento é outra. “Hoje é um grande dia de celebração. Há muitos anos, lutamos para melhorar a sociedade, com muito orgulho do que somos. Esse dia tem muito significado para a gente, vamos na contramão do que a sociedade quer que a gente faça, que é nos sentir menos importantes, inferiores”, concluiu Michel.


Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2017/06/26/interna_cidadesdf,604832/20-parada-lgbts-reune-nacionalidades-diferentes-para-pedir-por-mais-a.shtml

_________________
Procurando sempre tratar as pessoas com respeito e consideração.
avatar
Dr. Armando Komeku
Moderador
Moderador

Mensagens : 3990
Data de inscrição : 21/02/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 20ª Parada LGBTS reúne nacionalidades diferentes para pedir por mais amor

Mensagem  Dr. Armando Komeku em Sab Jul 01, 2017 12:35 am

Como Moderador, não poderia ficar ausente de um evento dessa natureza.
Vi muitas trans na Parada LGBTS, mas sou bem discreto e  :negativo: não comento as atividades da vida privada das gurias.
No entanto, como recebi a presente foto e fui autorizado a divulgar, compartilho com o fórum.
Podem ser vistas, da esquerda para direita, as 5 (cinco) LBs:  aplause
Karla Biazon, Ágatha Dias, Monique Bandeira, Yasmin Fontes e Rafaella Martins.




_________________
Procurando sempre tratar as pessoas com respeito e consideração.
avatar
Dr. Armando Komeku
Moderador
Moderador

Mensagens : 3990
Data de inscrição : 21/02/2014

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum